01/11/2009

Do que sinto

Peço desculpa pela atualização falha nos últimos tempos. A ausência de uma rotina na minha vida desde que cheguei a Portugal me deixa meio confusa. Mas vou tentar, dentro do que me for possível, manter as postagens do blog. Não falarei – pelo menos não neste texto – sobre a viagem a Paris. Se é pra transformar este blog em um “diário pessoal”, o farei de uma vez. Talvez os textos mais “técnicos” (ou não-pessoais) voltem a ser publicados depois que essa minha experiência aqui acabar e eu voltar ao Brasil. Mas, agora, quero falar do que sinto. Não reparem se não entenderem algumas das coisas que nele falo, pois esta é também uma espécie de desabafo...

Já faz um mês e dez dias que cheguei a Portugal. Muita coisa aconteceu neste espaço de tempo, ainda que relativamente curto. Parece que as emoções ficam mais fortes e os sentidos à flor da pele quando se está longe de casa e longe de tudo com o que se está acostumado. No início, parecia até mais uma viagem como as outras – um pouco mais demorada, mas parecia ser uma viagem como as que havia feito antes –, mas aos poucos a “ficha” foi caindo.

Michelly, Laila, Ricardo, Gabi – e agora a Bárbara – são os amigos mais próximos. São minha família aqui. Pessoas com quem tenho dividido as dúvidas, os medos, as alegrias e os mais diversos momentos vividos nos últimos 40 dias. Brincando – mas com o fundo de verdade inerente a toda brincadeira… – Ricardo, eu e Laila chegamos a comparar nossa vida aqui a uma espécie de “Big Brother” (que coisa, né?): toda palavra tem um efeito maior, toda atitude pode ferir ou causar alegria de forma mais intensa, além do fato de que todo mundo (refiro-me aos residentes de Santa Tecla…) sabe do que o outro faz, fica todo mundo de olho… hehehe

Só que, diferente de um reality show, quem me vê aqui são apenas as pessoas com as quais convivo – e as que moram na residência... Então, foda-se! (aqui “foda-se” é uma expressão pronunciada uma vez a cada cinco palavras ditas…) Quero mais é viver intensamente e aproveitar as oportunidades que me têm surgido. Estudar, conhecer, aprender, falar mais, sem medo de julgamentos…

Apaixonar-me, decepcionar-me, iludir-me, desiludir-me, sem medo do que vem depois. Sem compromisso. Ou melhor, com o compromisso de viver intensamente. Afinal, daqui a seis meses vou embora. Aliás, daqui a menos de cinco meses. E a maioria dos que estão aqui também vão embora na mesma época. Parece até que vivo agora uma vida “paralela” à minha existência real. Uma oportunidade também de descobrir quem sou eu e o que eu quero (?).

Mesmo nas horas difíceis, como quando bate a saudade ou quando eu me decepciono aqui, há um lado bom. A saudade é um sinal do amor que sinto por quem está longe e cada decepção me mostra mais sobre o ser humano, seja ele vindo do meu país ou não. Meus erros também ficam mais perceptíveis para mim e, consequentemente, os pontos em que devo melhorar. Aqui não tenho medo de errar. O bom é que aqui encontrei pessoas que compartilham dessa ideia e que me ajudam a ter coragem de viver sem medo de errar – de toda experiência se deve obter um aprendizado. Não quero saber do que veio antes, nem do que vem depois. Quero saber de agora.

Uma certeza tenho: já não sou mais a mesma e a mesma também não serei quando voltar. O aprendizado, não apenas no âmbito acadêmico, tem sido constante. Todo dia uma nova lição. Já sorri quase sem parar e também já tive muita vontade de chorar (só que não consegui e fiquei com um nó dentro de mim…). Tenho aprendido com as situações e com as pessoas. E agradeço a todas elas, mesmo as que de alguma forma tenham me feito ficar triste – estas foram poucas até agora. Encerro este texto com uma declaração: Laila, Gabi, Michelly, Bárbara e Ricardo, isso aqui não seria a mesma coisa sem vocês.

11 comentários:

lailacarol disse...

Aqui é mais difícil ser honesto do que em qualquer outro lugar e, justamente por isso, essencialmente obrigatório!
Ps.:Brasil eu tbm quero ficar pra final, mas pode deixar a Fê levar o milhão!

Taninha disse...

Fico tão feliz ao ler isto.
Parece que agora vc finalmente tá aproveitando as coisas.

Viva!

Laerte Magalhaes disse...

Fernanda, post corajoso e surpreendente. Fiquei com a sensação de que o principal não foi dito. A curiosidade exige que vc entre nos detalhes. Bjs.

Laerte Magalhaes disse...

Fernanda, post corajoso e surpreendente. Fiquei com a sensação de que o principal não foi dito. A curiosidade exige que vc entre nos detalhes. Bjs.

Laerte Magalhaes disse...

Fernanda, post corajoso e surpreendente. Fiquei com a sensação de que o principal não foi dito. A curiosidade exige que vc entre nos detalhes. Bjs.

Aline disse...

Lendo esse post eu vi algumas "cenas" da minha vida em Portugal passarem diante de mim...
Sem sombra de dúvidas, essa experiência que você está passando agora será algo que você vai levar pro resto da vida.
E a saudade também vai sempre bater com a menor lembrança...
[eu acho que vou ali chorar...]

Solange Soares disse...

Imagino que não seja nada fácil está tão distante de tudo e de todos e ainda assim, se saindo tão bem diante de tanta coisa nova em sua vida.Você pra mim ja é uma vencedora. Pois está sabendo lidar com todas as situações adversas e consequentemente ,tirando um bom aprendizado de tudo.Sei que não será mais a mesma.Voltará muito melhor e bem mais segura de si.Confesso que fico feliz por isso,afinal, essa viagem também tinha o intuito de um crescimento pessoal. Sei que vai ser difícil melhorar algo que já é maravilhoso....você como ser humano que é...beijos...

Ricardo Olissil disse...

Eu também quero o um milhão!!! Acho que não precisa estarmos na "final" para que possamos ganhar alguma coisa desse verdadeiro "jogo da realidade". Não importa se você é "líder" por conta de uma determinada façanha ou destreza que tenha, pois nunca estará imune aos ônus que esta experiência nos traz. Ao menos ela é cheia de bônus =DD Meu um milhão é conviver tudo isso com as pessoas supracitadas no texto =)

PS.: Mas como eu sou do contra, votem em mim pro milhão \o/

Wagner disse...

Meu nome é wagner, sou estudante de medicina veterinária da ufpi de bom jesus e gostaria que vc me add em seu msn para que eu possa tirar algumas dúvidas sobre essa bolsa, pois pretendo concorrer à mesma, então, preciso conversar com alguém que está vivendo esse momento. wagner_fontes2@hotmail.com.
Ou, me mande o seu email, para que eu possa mandar as minhas dúvidas por email.
Fico agradecido e parabéns por está conquista.

Antonio Sávio disse...

Oi moça. Agradeço a você por aparecer como seguidora de meu blog e só agora vir aqui visitar-lhe. Fiquei surpreso em saber que és de Teresina pois sou do Ceará e tem pouco tempo que estou morando por aqui. Parabéns por tua escrita e bom proveito em sua estadia no velho mundo. Abraços.

Anônimo disse...

necessario verificar:)