28/05/2008

Informação: rapidez X qualidade

O que é importante na conjuntura jornalística, em que suportes de comunicação online almejam a veiculação dos fatos em tempo real? A disputa entre portais de notícias para quem primeiro dá a notícia é importante para o leitor? Ou se trata apenas de uma competição irracional (sobre-humana) entre os profissionais e veículos? O leitor consome as notícias com a mesma velocidade de um jornalista?

O tempo escapa das mãos. O tempo agora é o instantâneo. Isso é possível? Isso é bom? Isso é certo? Eis abaixo um texto para refletir. Ele traz um exemplo não da internet, mas gera uma reflexão acerca da mídia de um forma em geral. O artigo foi extraído do Observatório do Direito à Comunicação e é de autoria de Gilson Caroni Filho.

Globonews derruba avião
Por Gilson Caroni Filho

Vinte de maio de 2008. Esse dia, certamente, entrará para a história da imprensa nativa como a data em que a GloboNews produziu a mais "volumosa barriga" do jornalismo brasileiro. Uma barriga pedagógica, pois modelada por um "q" de qualidade desprovido de qualquer compromisso com apuração do que é divulgado. Um relato de como se produz o que o telespectador "deve saber". Um instantâneo de como a ética corporativa trabalha com o conceito de responsabilidade social.

Por volta de 17h, a emissora anunciava que: "interrompemos a transmissão da CPI dos Cartões Corporativos para mostrarmos imagens ao vivo de São Paulo. Acaba de chegar a informação de que um avião da empresa aérea Pantanal caiu em cima de um prédio comercial na Zona Sul de São Paulo". Ao apontar a Infraero como fonte, foi desmentida de imediato. É tênue a fronteira que separa o fascínio espetacular do lodaçal patético do testemunho desqualificado.

Um incêndio em um depósito de colchões, em Campo Belo, bairro de classe média de São Paulo, foi apresentado, durante cinco minutos, como um desastre aéreo. Mostrando imagens de fumaça, a emissora informava que uma aeronave da empresa Pantanal havia caído próximo a Congonhas. Foi o suficiente para que dois portais (IG e Terra), além de emissoras de rádio, no curso do mimetismo midiático, reproduzissem, sem citar fontes, a falsa notícia.

A que atribuir tal açodamento? Ao processo taylorista instalado na dinâmica do campo jornalístico? É possível. Isso é compatível com o modus operandi de uma indústria que concebe a informação como bem simbólico mercantil.

Como checar as informações e publicá-las dentro de um padrão de bom senso e confiabilidade, quando o critério de eficiência é dado pela velocidade da divulgação? Quando o objetivo é furar o concorrente, dando a notícia em primeira mão, direto, ao vivo, instantaneamente. Continuar o bombardeio informativo, em tempo contínuo, dispensa até mesmo o profissional qualificado: basta uma testemunha que produza o "efeito do real". Alguém que já não controle mais o produto final da produção simbólica, visto que dela participa como mero legitimador.

Como destaca Ignacio Ramonet "o jornalista está literalmente asfixiado, ele desaba sob uma avalanche de dados, de relatórios, de dossiês- mais ou menos interessantes- que o mobilizam, o ocupam, saturam seu tempo e, tal como chamarizes, o distraem do essencial. Por cúmulo, isto incentiva ainda sua preguiça, pois não precisa mais buscar a informação. Ela chega por si mesma a ele."

Por certo, a barriga dos repórteres e editores da telinha deve também ser analisada nas próprias condições materiais de produção da informação em "tempo real". Mas será que isso nos exime de examinar o caráter ideológico e político inerente à atividade jornalística. No caso brasileiro, não cabe falar em um "script" que está no substrato das coberturas?

Nossa grande imprensa pode ser considerada um serviço público que, de forma isenta, faz a mediação dos "fatos que falam por si", cabendo ao público o livre discernimento? Ou prevalece a orientação editorial de que há que se preservar a estabilidade democrática salvo o surgimento de "fatos novos e comprometedores"?

Não estaria aí, na perfeita sintonia com o pensamento de quem lhes emprega, o descuido que levou uma aeronave a colidir com colchões? Interromper uma construção midiática que se mostra sem fôlego ("dossiê") para reativar outra ("caos aéreo") nada mais é que estabelecer a agenda que interdita o real debate político. Algo que cai do céu para uma oposição que vive seu vazio programático de forma melancólica.

Terá sido por acaso que, alertado por um assessor, o deputado Antônio Carlos Pannunzio( PSDB-SP), interrompeu a sessão da CPI dos Cartões para, como destaca José Dirceu em seu blog, fazer uma "comunicação bastante grave e muito triste" aos seus pares e lamentar o "caos no tráfego aéreo"? Ou será que o parlamentar tucano, em boa hora, alugou a barriga global?

Em comunicado sobre o episódio, a Central Globo de Comunicação afirmou que: "A respeito do incêndio ocorrido hoje à tarde em São Paulo, a Globo News, como um canal de noticias 24 horas, pôs no ar imagens do fogo assim que as captou. Como é normal em canais de notícias, apurou as informações simultaneamente à transmissão das imagens. A primeira informação sobre a causa do incêndio recebida pela Globo News foi a de que um avião teria se chocado com um prédio na região do Campo Belo, Zona Sul de São Paulo.

"Naquele momento bombeiros e Infraero ainda não tinham informação sobre o ocorrido. As equipes da própria Globo News constataram que não havia ocorrido queda de avião e desde então esclareceu que se tratava de um incêndio em um prédio comercial. Poucos minutos depois o Corpo de Bombeiros confirmou tratar-se de um incêndio em uma loja de colchões".

O Portal IMPRENSA registra que mesmo após o Alto Comando das Organizações esclarecer que "embora a Globo News tenha publicado esta primeira informação, a TV Globo não fez qualquer menção ao possível acidente aéreo", o engano ainda permanecia em vídeo no site do canal por assinatura, ainda que a informação já estivesse desmentida. Minutos depois, ele foi retirado".

Diante do naufrágio, a família Marinho fez o que achou mais acertado. Tirou o "q" de qualidade da barriga e seguiu solene para a próxima "exploração de hipótese". É assim que o monopólio compreende a democracia. Como uma possibilidade de pequenos arranjos e grandes negócios.

Um comentário:

Taninha disse...

caracas!

..sei nem o que dizer, que gafe!